Quarta, 20 de Setembro de 2017
   
Texto

Moradores de montanhas gregas mais saudáveis, dizem cientistas

Lugar mais saudável do Mundo
Variante genética torna moradores de uma Cidade Grega mais saudáveis
Philippa RoxbyBBC News
Mulher em aldeia isolada na GréciaDireito de imagemGETTY IMAGESImage captionPesquisadores identificaram variedade genética diferente em moradores de aldeias com baixos índices de doenças cardiovasculares

Cientistas identificaram a razão pela qual as pessoas que vivem em aldeias isoladas na Grécia costumam ter uma vida longa e saudável.

Eles encontraram uma nova variante genética, comum entre os moradores, que protege o coração, reduzindo os níveis de gordura "ruim" e colesterol.

Apesar de manter uma dieta rica em gordura animal, a população de Mylopotamos, no norte da ilha de Creta, têm baixas taxas de doenças cardiovasculares. Mesmo apreciando imensamente seus queijos.

Mas o que há de especial nesses vilarejos gregos?

Nas montanhas

As aldeias isoladas de Zoniana e Anogia estão no alto das montanhas na ilha de Creta.

Poucas pessoas se mudam para dentro ou fora dessas regiões, e seus habitantes são conhecidos por terem uma velhice saudável.

Aldeia Zoniana, na GréciaDireito de imagemSANGER INSTITUTEImage captionCientistas ainda não descobriram motivo de localidade grega ter pequeno índice de doenças cardiovasculares

Problemas cardíacos e acidentes vasculares cerebrais são raros, apesar de essas pessoas ingerirem uma quantidade abundante de carne de cordeiro e do queijo local, o cretan.

Além disso, essas vilas realizam um festival do queijo todos os anos.

Trata-se de um tipo de dieta que poderia causar muitas complicações de saúde. Isso porque comer alimentos que contêm gorduras saturadas aumenta o nível de colesterol no sangue. E altos níveis elevados de colesterol de lipoproteína de baixa densidade na corrente sanguínea aumentam as chances de uma doença cardíaca e derrame.

Mas a verdade é que os aldeões têm o nível de diabetes do tipo 2 na mesma taxa que a população grega em geral, e não parecem sofrer das consequências comuns, como a diabetes renal.

Questão genética

Sendo assim, o que há de diferente nessas pessoas?

Isso é exatamente o que os pesquisadores do Wellcome Trust Sanger Institute, organização britânica que investiga o genoma humano, gostariam de saber.

A pesquisa deles, publicada na publicação científica Nature Communications, identificou uma nova variedade genética que tem características que protegem o coração desses indivíduos.

Carne com grande quantidade de gorduraDireito de imagemCRETE TRAVELImage captionCientistas explicam por que moradores de montanhas gregas têm corações mais saudáveis

Ela está associada a níveis mais baixos de gorduras naturais "ruins" e colesterol "ruim" - o que é importante para diminuir o risco de doenças cardiovasculares.

A variante parece ser virtualmente única na população das duas aldeias das montanhas gregas. De milhares de europeus que foram submetidos ao sequenciamento do genoma, apenas uma outra pessoa na Itália possui algo similar, disseram os pesquisadores.

Os cientistas sequenciaram o genoma inteiro de 250 moradores desses vilarejos. Isso significa que eles retiraram amostras de sangue, extraíram o DNA - as instruções de funcionamento de cada um de nós, que determinam nossas características - e analisaram uma sequência de três bilhões de letras que compõem o genoma humano.

Em seguida, os pesquisadores usaram os resultados para obter uma visão mais detalhada de mais de 3 mil moradores das aldeias que já haviam sido genotipados (um atalho para a aquisição de informações genéticas).

Queijo de CretaDireito de imagemGETTY IMAGESImage captionPesquisadores estão estudando outras comunidades isoladas para saber o que seus moradores fazem para se manterem saudáveis

A importância da descoberta

A pesquisa britânica não é um estímulo para que todos saiam consumindo gordura de origem animal livremente, simplesmente porque não temos a mesma variante genética que beneficia essa população grega.

Os cientistas ainda não conseguiram explicar por que essa característica está presente nessas pessoas - se tem relação com a forma como elas vivem, com o ambiente ou seria algo transmitido de geração para geração, por exemplo.

Mas os pesquisadores afirmam que podem usar essa descoberta para identificar quais variantes genéticas desempenham um papel importante na causa de doenças complexas.

Isso pode dar pistas sobre os motivos pelos quais algumas pessoas desenvolvem doenças cardíacas e outras não.

Há estudos similares sendo realizados com outras populações isoladas, como os amish (EUA), os inuit (norte da Gronelândia) e os orkney (Escócia).

Fonte: BBC Brasil

Curta nosso Face!