Quarta, 20 de Setembro de 2017
   
Texto

Treinamento de Força para Atletas Adolescentes de voleibol do Sexo Feminino

O treinamento de força deve ser um dos componentes na preparação e formação de jovens atletas do sexo feminino (Fleck; Kraemer, 2006). Para Kraemer; Häkkinen (2004), o treinamento deve acompanhar as alterações físicas e fisiológicas que ocorrem nessa faixa etária e suprir as necessidades do voleibol.

De acordo com Hollway; Baeche (1990), não existem considerações para planejar o treino de força em função do gênero do indivíduo.

PRUDÊNCIO; TUMELERO (2006) preconizam que o programa de treino de força deve considerar também as necessidades individuais em relação à posição específica na modalidade.

Para Kraemer; Häkkinen (2004) o plano deve ser formulado conforme as características anatômicas e cinésiológicas, as necessidades energéticas e as considerações em relação às lesões no voleibol. O programa de treino de força para o voleibol deve conter exercícios estruturais e poliarticulares para desenvolver movimentos de força e potência de corpo inteiro, combinando diversas ações musculares.

O treinamento geral deve ser seguido de um treinamento específico definido em função dos grupos musculares responsáveis pela performance no voleibol. O volume total de treinamento deve favorecer o treinamento geral ao treinamento específico (BARROS, 2000).

Kraemer; Häkkinen (2004) concluem que uma atleta sem antecedente em treinamento de força a iniciação em um programa de treinamento provocará rápidos e grandes ganhos na força muscular. De maneira geral, todo treino de força é benéfico para atletas iniciantes.

Não foram encontrados na literatura trabalhos comparativos entre os métodos de treinamento de força que avaliassem quais deles são mais efetivos. Há a necessidade de estudos comparativos de treino de força de jovens atletas, especificamente do sexo feminino.

Professor José Ricardo Galdini

Graduado em Educação Física

Coordenador Técnico do Projeto Vo.L.E.E.I.

 

 

 

Curta nosso Face!