Quarta, 20 de Setembro de 2017
   
Texto

Proteína animal e vegetal no treinamento de musculação

 

INTRODUÇÃO

  A proteína é uns dos nutrientes essenciais mais importantes, pois consiste em uma macromolécula presente em todas as células do organismo e possuem ampla variedade de funções fisiológicas (BIESEK, 2005). 

As proteínas são constituídas a partir de seus aminoácidos, cada um dos quais possui um grupamento amina (NH2) e um grupo ácido (COOH) e um Nitrogênio (N). De acordo com Williams (2002), na natureza há cerca de 200 aminoácidos, mas apenas 20 são metabolizados pelo organismo humano. Entre esses, 09 são denominados essenciais, isto é, não são sintetizados pelo organismo e devem ser fornecidos via exógenos, os outros 11 denominados não essências produzidas pelo organismo.

A proteína é encontrada em dois tipos: proteína animal que é encontrada em carnes bovinas, suínas, frangos e peixes e possui alto valor biológico, enquanto a proteína vegetal é encontrada em leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja) e possui baixo valor biológico (GUERRA, 2007).

OBJETIVO 

Veremos a importância no que diz respeito a sua eficácia no treino de musculação e entenderemos a necessidade da ingestão tanto de proteína animal quanto a proteína vegetal.  

 DESENVOLVIMENTO 

No treinamento de musculação o individuo tem o objetivo de hipertrofiar, o objetivo de redução de peso, qualidade de vida e bem estar. Para que isso aconteça com eficácia é  considerável algo fundamental: a alimentação.

Profissionais ligados a atividade física tais como médicos, nutricionistas, educadores físicos, psicólogos tem papeis fundamentais na obtenção de resultados esperados pelos praticantes porque eles têm o conhecimento técnico e condições de avaliar fisiologicamente esses indivíduos corretamente para que dentre alguns fatores, não ocorra possíveis lesões.   

HIPERTROFIA MUSCULAR  

A proteína de origem animal desempenha papel fundamental no que diz respeito a ingestão pós treino de musculação porque segundo Williams (2002), tem a função de construir e/ou reconstruir as fibras musculares que foram lesadas com o treino ocasionando um aumento da musculatura. Sendo assim, a proteína de origem animal por seu alto valor biológico, se torna de extrema valia para hipertrofiar a  musculatura. A proteína corresponde a 4 kcal/g equivalente ao do carboidrato (CHO) 4 kcal/g. Considera-se então que a proteína tem o mesmo valor calórico que os CHO.

 A oferta de energia da proteína não é considerada importante antes e durante o exercício porque conforme visto, na sua composição química existe o Nitrogênio (N), onde o corpo humano não dispõe de um mecanismo que para estocar o eventual excesso de N decorrido da ingestão de proteína visando energia. Por um processo de desaminação, o NH2, que contem nitrogênio é removido do aas, deixando um substrato como alfa-cetoácido. O excesso de N do organismo deve ser eliminado. Em resumo, o fígado forma NH3 a partir do excesso de N; a NH3 é convertida em uréia, que passa pela corrente sanguínea e finalmente é eliminada com a urina.

Nos estágios finais do exercício de endurance prolongado a proteína pode contribuir com até 15% do custo energético total porém os CHO e as gorduras desempenham muito bem esse papel. A RDA de proteína é aproximadamente 0,8 a 1,0 grama por quilograma de peso corporal (WIILLIAMS,2002). 

REDUCÃO DE PESO 

 A proteína origem vegetal desempenha papel fundamental no que diz respeito a ingestão pós treino de musculação porque segundo Williams (2002), auxilia  na recuperação pós treino e na redução de peso ocasionado pela baixa quantidade de gordura, sensação de saciedade, devido sua alta viscosidade, alta capacidade de ser fermentáveis e por conter um teor elevado de fibras. Assim, a proteína de origem vegetal auxilia, dentre outros fatores dietéticos,  na redução do peso corporal Segundo  a OMS o consumo de proteínas para mulheres deve ser de 50 a 75 gramas por dia  e para homens 75 a 100 gramas   

 CONCLUSÃO 

Conclui-se que a proteína é um macro nutriente importante para o exercício físico, uma vez que possibilita a hipertrofia muscular e auxilia na redução de peso, porém recomenda-se a orientação de profissionais tais como médico e/ou nutricionista.   

AGRADECIMENTOS OLIVEIRA, Janete.   

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 WILLIAMS M.H. Nutrição para Saúde, Condicionamento Físico e DesempenhoEsportivo.Tradução Sonia Bidutte,São Paulo: Manole, 2002. BISEK, S. et al. Estratégias de nutrição e suplementação e  esporte. São Paulo: Manole, 2005.

 GUERRA, I. A importância das proteínas na dieta. Ano 4 n.13; São Paulo: Guadalupe Fierro, 2007.

Danilo Blanco

Clínica Esportiva
Nutrição e Personal Trainer 

Curta nosso Face!